Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Casa da Gorda

Casa da Gorda

Seg | 12.08.19

A sandalinha dourada

Gorda

Era uma vez uma gaija trintona com pés grandes para a sua altura que procurava umas sandálias 38 douradas para fazer face às novas modas do presente século. Esperou pelos saldos porque não é rica e não há carteira que aguente os preços das novas coleções por isso, assim que se ergueram os segundos cartazes de 50% de desconto, rumou à sapataria nacional mais próxima.

Procurou por entre os modelos disponíveis, vasculhou todas as caixas e para os modelos mais supimpas apenas encontrou números adequados a donzelas dotadas de semi-cotos, que calçam o 36.

Foi então que apareceu uma funcionaria pouco disponível, mas sendo a única que largou a converseta para ajudar, até pareceu à gaija trintona uma colaboradora dedicada.

- Anda à procura de alguma coisa em particular? - perguntou a moça já entediada por saber que ia ter de arrumar as caixas que a gaija trintona estava a desarrumar.

- Ando à procura de umas sandálias douradas. Gosto destas - e apontou para um par que estava na última prateleira - mas são altas demais para o dia a dia. Também gosto daquelas - as mais baixas com um penduricalho de lado - mas não tenho a certeza de que sejam o que quero.

- Pois. - respondeu laconicamente a funcionária, já capaz de espetar com uns stilettos vermelhos tromba adentro da gaija trintona.

- Acho que vou experimentar estes mais baixos. Tem o 38?

- Vou ver.

A rapariga voltou com uma caixa. Afinal de contas havia sandálias com desconto, douradas e que não tinham saltos vais-partir-as-trombas-vais; porque a pessoa a andar na calçada fica com o sapato preso e depois é só pedras e dentes, dentes e pedras.

A gaija trintona andou um pouco com as sandálias e não as achou muito moldadas ao pé.

- Não sei. - disse a gaija trintona.

- Olhe que todas as clientes dizem que elas fazem bom andar, são, acima de tudo, muito confortáveis.

A gaija trintona não sentia o conforto, mas, convencida de que a colaboradora semi-disponível poderia saber bem do seu produto, adquiriu as sandálias.

E viveram a fazer bolhas nos meses que se seguiram.

Fim.

 

sandália dourada.jpg

 

(Esta é a imagem de uma merda estupenda. Ando a parecer uma pata manca sob o efeito de estupefacientes pesados, mas agora que as comprei vou usa-las, que mais não seja para aprender a confiar mais nos meus presuntos do que nas sacripantas das lojas.)

4 comentários

Comentar post