Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Casa da Gorda

Casa da Gorda

14
Out18

Born to be pobre

Gorda

Na semana passada andei a dar uma primeira volta ao meu guarda vestidos (adorava dizer que é um closet, mas....) para ver o que é que ainda tenho que sirva para esta nova estação de frio e o que é que tenho de comprar novo. Roupa esgaçada, borboto, botas a descolar e outras maleitas de roupa não-requintada.

Decido que havia de começar por comprar um bom par de botas. Não queria saber do preço.

Na segunda-feira entrei na loja de eleição, virei as botas, vi o preço na sola e podia jurar que até me deu uma tontura.

Em caminho passei na Primark e comprei 2 sacos de roupa para o pequeno: calças de fato de treino, coletes, blusas, meias, cuecas, pijamas, um quispo e mais umas tralhas. Tudo por um terço do preço das botas.

Passei o resto da semana a pensar se havia de comprar as malvadas ou não.

Fui à C&A e comprei calças para o pequeno. Baratissimas, confortáveis e quentinhas para o inverno.

Voltei à Primark. Comprei mais 3 sacos de roupa, desta vez para mim e para o pequeno. Mais roupa "para bater" na escola. Dois vestidos para mim, umas pantufas para casa, um par de botas (por 10€) e uns sapatos rasos bem giros.

A soma das cerca de 6 sacadas de roupa que trouxe para casa custaram menos do que apenas um par de botas. Desisti das botas. Até porque na loja baratinha vi umas quase iguais por menos de 20 €. Se acabarem descoladas que se lixe.

Fiquei contentinha com as minhas compras, até porque a maioria das coisas que comprei é para levar para o escritório, e são uma espécie de fato de macaco do mecânico de secretária. Aquela merda que ninguém entende: estar um dia inteiro atrás de uma secretária sem ver vivalma, mas ter de estar com uma indumentaria formal. Deve ser para as folhas de Excel ficarem com mais respeito, é que se calham a ver a pessoa de calças de ganga até se recusam a fazer as fórmulas.

Ontem, ao desensacar mais uma leva de roupa, dei comigo num momento de reconhecimento interior: nasci para ser pobre. Tirando a minha aversão aos transportes públicos que me causam abespinhamento global das células corporais, eu sou pobre até à espinha. Não sou totalmente forreta mas gosto de uma pechincha.

Sou assim para mim e para as coisas que compro para o miúdo. Custa-me dar uma porrada de dinheiro por roupa que serve para rasgar no jardim e na escola (abro exceção para os ténis e é porque ele precisa que sejam mesmo bons).

Não encontro mais valia nas roupas caras porque: a) na maioria, hoje em dia, não têm assim tanta qualidade; b) o design também deixa a desejar (inventam demais); c) são todas produzidas na China (tal como os amigos da Primark); d) fico com uma neura da caraças quando se estraga uma coisa que me custou os olhos da cara e quase tive de penhorar o do....

Enfim, I was born to be pobre. Vai na volta é por isso que a sorte nunca me dá o Euromilhões, deve achar que não vale a pena.

 

7 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Visitas

contador de acesso grátis

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Sigam-me

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D