Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Casa da Gorda

Casa da Gorda

Seg | 04.11.19

Casados à primeira traulitada - quarta e última parte

Gorda

diana chaves.jpg

(Imagem retirada do Google)

 

 

Lamentavelmente chegou a hora de escrever a ultima resenha desta soberbo pugrama. Ainda há muitos episódios para vir, mas isto já nem para fazer pouco serve. Eu chego a um ponto de quase ter pena da coitada da Diana Chaves, só não fico verdadeiramente condoída porque ela atura umas horas disto e leva para casa dez vezes o meu ordenado.

Os terapeutas continuam a identificar coisas muito importantes e disruptivas explicando que o respeito é importante, a abertura é fundamental e - o mais frequente - se as pessoas continuam à procura dos mesmos padrões nunca vão conhecer coisas novas. Ou seja, vocês querem gente gostosa para pinar e nós arranjamos uns grunhos que ninguém pega.

É como ver duas equipas:

Elas

Vão à procura de aparecer na TV, de se fazer passar por perdizes renascidas do fogareiro, vidas tão pesadas e recalcamentos absolutos que criaram mulheres que sabem tudo e mais alguma coisa.

Traduzindo, querem aparecer na TV para depois se orientarem nas contas das redes sociais e a fazer comentários em canais de merda.

Em bom rigor isto é para as concorrentes a casa dos segredos da meia idade, como não estão na faixa desejada para a propriedade da Venda do Pinheiro, toca a casar com quem nunca se viu.

 

Eles

Não há explicação. A gente percebe que a maioria deles não vai lá pelas redes sociais, tirando aquele que ainda pode abrir uma BOX, mas que, mesmo assim é tão carente que uma pessoa até receia que ele nos dê um abraço ao fim de cada agachamento.

 

Dito isto, vamos lá então fazer uma última vistoria casal a casal antes que eu fique com uma infeção nos olhos de observar o ecrã.

 

O gabiru de Corroios e a Ariel de Carcavelos

Ele é peganhento e alega ter esperança e paciência pelos dois. É como a música do Sobral, mas em mesmo muito mau, porque se uma pessoa gosta de um gajo que consegue ser meloso, também é demais um gajo que transpira mel. Por vezes roça o coninhas porque aceita que ela o trate mal em frente aos outros e só sabe dizer que "está mesmo muito apaixonado".

(é isso ou quer meeeeesmo receber aqueles 3.000€)

Ela está a conseguir ser a concorrente mais irritante que eu já vi. Uma gaja que passou por tudo o que ela alega ter passado não se comporta como a dona da verdade, cheia de razões. Nem carrega tanto nos "r", pelo amor da Santa, parece que há um neurónio que fica com a tecla encravada. Diz ser muito minuciosa, que toda a gente sabe que quer dizer que é uma chata do caralho que acha que faz sempre as coisas melhor que os outros.

A Ariel tem uma planta que faz não sei o quê ao ar e andou passada dos carretos porque alguém desapareceu com o vegetal. Possivelmente a melhor utilidade da planta fosse arrear-lhe com o vaso na mona.

Esta mulher sabe tanto da vida que alguém devia estar a anotar as merdas que ela diz para lançar um livro de ensinamentos antes mesmo de ela sair do pugrama. Só ainda não lhe explicaram que humilhar a pessoa com quem casaste é um comportamento de cabra.

No fim e depois de muita lã ambos decidiram ficar juntos. Quê bonito!

 

O multimerdas alentejano e a arquiteta que afinal vende casas ou lá o que é

Estes estão lá para duas coisas: a) chegar ao fim do pugrama e receber o guito; b) fazer de calimeros que aceitam tudo e se moldam as situações que é para toda a gente gostar deles.

Como é óbvio, ficaram.

 

O comercial e a Vitoria Béquér dos Ovos moles

O quer dizer destes dois?!

Ele está mesmo decidido a vender-lhe um carro, mas não consegue porque apesar de ter poucos quilómetros tem mais anos do que ela está disposta a aceitar.

Ela, por mais que se comporte como uma cabra para o gajo, parece-me ser a mais honesta daquela gente toda. Ela queria um gajo da casa dos segredos e deram-lhe um cota que balança a sua pança à beira mar num pugrama para gente que casa com quem nunca viu. Persiste em dizer que ele não é o que ela queria e pelo menos tem a coragem de admitir que queria outro gajo porque queria um gajo que fisicamente lhe desse tesão, em vez de andar ali a rondar o tacho a arranjar defeitos que a pessoa não tem. Se houvesse medalha para a "honestidade grosseira e sem merdas" uma pessoa tinha de lha dar.

Dito isto, quão palerma pode ser uma gaja que anda à procura de um gostoso, para se inscrever num pugrama com 100% de taxa de sucesso a encontrar morcões?

A Vitoria fez um ganda "shiiiiu" aos terapeutas o que foi a melhor parte do episódio deste domingo. Afinal de contas já faltava alguém que dissesse "parem lá com esta merda de conversa, eu disse-vos que queria um gajo mesmo bom e vocês orientaram-me um grunho e querem que eu insista até gostar, ide apanhar nos entrefolhos!".

Depois o comercial - gaijo habituado a perder uma venda mas a fechar negócio noutro lado - disse que com aquela não dava mas podia papar a cota desempregada que também estava bem conservada.

 

A special one e o canguru boy

Ele está assustado com aquilo tudo e ainda não percebeu porque raio saiu da Austrália. Parece que levou um selo de um canguru boxer.

Ela está a super aproveitar o momento. E a mostrar roupas bué bonitas e pronto.

Como seria de esperar they ficaram.

 

A cota desempregada e o reformado choninhas

O reformado quer pinar. Ponto. O reformado está aflito para arranjar uma velha para dar umas berlaitadas valentes antes de receber a chamada do Senhor. E parece-me que apostou neste pugrama porque apesar de ter algum guito é tão forreta que não quer gastar 1 Euro com uma profissional a recibos verdes.

A cota queria um tipo mais novo e afoito, mas não quer que o reformado lhe salte para a espinha. É tão à frente que eu faço fast forward quando ela fala porque aquela voz esganiçada entra-se-me para o tímpano e até faz eco. Enfim está desempregada e dava-lhe mesmo jeito substituir a Maia num dos programas da manhã.

Ao menos foram sensatos e decidiram terminar aquela borrada em três atos.

 

O gaijo do Barreiro e a moça que quer arranjar outro emprego

Ele até está quase apaixonado. Ou diz, a mim parece-me apenas confuso e a precisar de fazer publicidade à barbearia que vai abrir nas Paivas.

Ela bazou do nada, porque quer dar canal e aquilo que deseja mesmo é sobressair, assim, como não tem figura para se destacar ao pé das outras, vai de dar escândalo para terem do que falar. A gente mais ou menos sabe o que é que tem à frente quando uma gaja diz que tem de manter as aparências, mas depois ao pé d'ajamigas é bué frontal.

Na reunião de decisão ambos escolheram ficar. Watafaque?!?! Vamos lá a ver se eu entendi bem: a gaja baza de casa e não lhe atende sequer o telefone quando ele liga. No entanto, quer ficar na experiência - ou seja no casamento - mas não quer dizer ao gajo porque é que cavou. Também acha que não tem de falar para ele.

Mais valia dizer logo "eu quero aparecer na TV porque acho que sou mesmo linda e a minha vida vai descolar a partir daqui". Não vai miga, porque tu de princesa só se for da Cova da Moura.

(com todo o respeito pela Cova da Moura, muita gente boa lá, mereciam melhor monarquia que esta)

A cereja no topo do bolo dá-se quando ela diz que ele não tem elegância mas é ela que se recusa a falar com ele e se vai embora de casa a troco de nada.

Ele precisa de Deus e ela tem de ser medicada, porque basta olhar para aqueles olhos esgazeados para a gente perceber que naquela cabeça para além de vento e merda passa muito pouca coisa.

 

E é isto, no fim, e fazendo jus ao pugrama anterior, o único casal que se mantém é a Diana Chaves com o César Peixoto.

 

 

Para ler as restantes resenhas basta clicar nos links abaixo:

Casados à primeira traulitada - primeira parte

Casados à primeira traulitada - segunda parte

Casados à primeira traulitada - terceira parte

 

 

Se apreciou este pedaço de soberba escrita, não se esqueça de:

Fazer gosto na página de Facebook.

Acompanhar a conta de Instagram (onde pode ter acesso às palermices desta Gorda, sem códigos da Prozis).

Subscrever o blog por e-mail, é só ir aqui à coluna do lado direito e poderá ser bombardeado com notificações a avisar que há mais coisas para ler.

 

 

9 comentários

Comentar post