Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Casa da Gorda

Casa da Gorda

16
Set18

Devaneios de uma gorda ao Domingo, depois de mamar um gelado ou um: Bora lá todos (não) deixar de comer açúcar e não fazer desafios parvos (tudo junto)?

Gorda

(este texto pode seriamente ser a minha negação à realidade, ou uma qualquer tentativa de evasão da realidade que garante que eu comi 360 calorias num gelado, ou porventura apenas a necessidade de uma gorda gastar calorias usando os únicos "membros" que não se importa de exercitar: os dedos)

 

No outro dia dizia-me uma colega de trabalho que agora há desafios para tudo: para exercícios de diversos tipos; para fotografias; para parvoíces perigosas; e até para a componente alimentar.

Anda o "pessoal" todo a tentar fazer uma espécie de continência com 3 dedos enquanto espeta um olho por entre um buraco de um monóculo imaginário.

Buéda giro. Tipo, ya, bué mesmo. (coloquei esta frase em itálico como se fosse estrangeiro...porque parece)

Coisas de quem tem tempo para ser parvo e não se importa de fazer publicidade a isso.

Vai daí e pensei: qualquer dia meto-me aí num desses desafios dos 30 dias sem açúcar para ver se perco este pneu.

Já ouvi falar de pessoas a deixar de comer açúcar por diversas razões, mas por desafio foi a primeira.

Ao que parece alguém terá descoberto que o açúcar é o maior mal do mundo, causa problemas de múltiplas ordens e inventa esquemas rocambolescos para molestar as nossas células que colocariam vergonha a qualquer agente do KGB.

Um agente da Mossad ao lado de um grão de açúcar é um pussy.

 

Quando eu era miúda o açúcar só fazia mal a duas coisas: dava cabo dos dentes, ficávamos cheios de caries e depois passávamos a vida no dentista; fazia-nos mais gordos e isso era mau porque quando eu era miúda ninguém queria ser a chavala gorda.

 

Hoje usar óculos é moda e ter peso a mais é normal. No meu tempo era o caixa de óculos e o bochas. Não estou a dizer que era bom nesse tempo, longe disso, mas há que marcar as mudanças boas e más. Parece-me adequado que alguém que use óculos não seja alvo de chacota por isso, mas também me parece excessivo que seja cool porque usa óculos de massa com cores tigresse e depois uma pessoa já vê juventude a usar óculos sem graduação só porque é cool.

Menos, toneladas menos.

O facto de ser normal uma criança ter excesso de peso não sei se será assim tão bom. É bom que não seja alvo de chacota (fazer pouco da condição física do outro é sempre mau), mas que isso seja visto como normal, talvez não seja assim tão bom.

Acho que me perdi, vou tentar recompor-me.

O açúcar e o desafio que eu não vou fazer.

Pois que se criaram múltiplas fações alimentares e algumas delas criaram uma barricada contra o açúcar; fazem propaganda como aquelas religiões que nos querem obrigar a ser crentes e têm como principal arma de arremesso a nossa eventual morte.

Novidades pessoas: nós vamos todos morrer. O único imortal à face da terra era o Duncan Maclaud e até esse foi com o galheiro porque acabaram com a serie. Touché!

O melhor que uma pessoa pode fazer é tentar que o tempo que tem se estenda o máximo possível e que tenha a maior qualidade que se conseguir.

Dito isto é compreensível que o açúcar faz mal, se consumido em excesso; mas o açúcar não é o coração dos males do mundo. Quem vem com esta conversa esquece sempre todas as outras componentes de agressão a que somos sujeitos: o ar que respiramos, a água que bebemos, o peixe cheio de mercúrio, as oscilações de temperaturas, a carne que comemos carregada de antibióticos; e se quiserem vir com a treta da fotossíntese humana, há que ter em conta que também o sol causa cancro de pele. Pelo que meus queridos: we're all fucked anyway.

Mas há aqui um fator praticamente irrisório: deixar de comer açúcar emagrece. E eu pergunto-me se o que motiva esta demanda é a saúde ou a boa forma física. Não há nada de errado com qualquer uma das duas, mas, quantas pessoas deixariam de comer açúcar se amanhã alguém dissesse que o açúcar faz maravilhas à saúde mas engorda. Ou seja, vamos supor que comer açúcar acrescentava 10 anos à esperança de vida da pessoa, mas dava-lhe mais 15 quilos de peso. Vai uma aposta que não lhe tocavam?

Pois claro, porque é uma demanda pela "saúde" que traz de arrasto uma cintura de vespa.

 

Assim, o que eu acho é que as pessoas deviam fazer como eu: falar mal do açucar mas come-lo na mesma. 

 

(pronto, gastei 25 calorias, já me sinto mais leve)

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Visitas

contador de acesso grátis

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Sigam-me

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D