Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Casa da Gorda

Casa da Gorda

Qui | 05.09.19

Diário da mãe positiva - o regresso às aulas

Gorda

 

 

Ufa, hoje está a ser um dia tão preenchido das mais maravilhosas e esplendorosas formas, que quase não tive tempo para vir aqui dar-vos o meu conselho da semana. Mas tranquilizem-se, a positiva está aqui para vos ajudar e mostrar o caminho para uma vida mais alegre onde se incluem os ocasionais abraços às árvores.

A titulo de curiosidade vou contar-vos um segredo que acho que nunca contei a ninguém, para além do meu marido, as minhas irmãs, duas amigas de secundário e a minha cabeleireira. Estão prontas? Eu tenho o sonho de um dia ter uns braços tão grandes que consigo dar um abraço a uma sequoia. É verdade.

Mas adiante, que o dia já vai longo e eu ainda tenho três casas para mostrar, duas a uns casais pelintras que vemos logo que não vão ter dinheiro para a entrada; outra a um casal de reformados de vida bem posta que devem ter a conta carregada de carcanhol.

A vida é mesmo assim, não podemos ganhar sempre; é fundamental focarmo-nos no bom, ainda que tenhamos a tartaruga deprimida com indícios de potencial tentativa de suicídio por afogamento.

 

Hoje venho falar-vos do regresso às aulas para nós, mamãs e papás. Sim, porque o inicio das aulas é muito importante para os nossos querubins, mas é fulcral a nossa participação para que tenhamos mãos nesses professores e professoras perdidos, que não sabem liderar e ensinar os nossos filhos, esmifrando todo o potencial que eles têm naqueles pequenos corpinhos. Somos nós, mamãs e papás, que temos de os ter debaixo de olho para que não sejam maus exemplos do que é viver numa boa sociedade, em convivência e harmonia.

É exatamente por isso que tudo começa por uma escolha criteriosa da escola, se tiverem a oportunidade financeira devem optar por uma escola privada - porque já se sabe que nas publicas se apanha de tudo -, caso não vos seja possível, não desesperem, devem arranjar uma morada de alguém conhecido para que possam inscrever as crianças numa zona melhor que a da vossa residência. Foi o que eu fiz nos últimos dois anos, porque tinha um apartamento na Expo para vender, só que o mercado agora ficou em alta e uns sacanas de uns camones compraram aquilo. Dada esta triste situação, as minhas crias este ano estarão inscritas na escola próxima da nossa área de residência, o que significa que tenho de fazer uma pré-reunião com a professora de cada um dos meus filhos. Aconselho-vos a fazer o mesmo. Nas reuniões de pais, com toda a gente ao molho e todas aqueles questões desinteressantes, não nos conseguimos fazer ouvir, por isso é fundamental que tenhamos tempo one on one com a criatura para que saiba que a mãe daquele aluno ou aluna está ali para tudo. 

Gosto de começar por lhe explicar que está perante uma criança positiva, de uma família que aceita desafios e que iremos acompanhar o processo de instrução detalhadamente. Exijo o programa escolar e marco bem a minha decisão de querer trabalhos de casa redobrados. Há imensos pais que se queixam, mas as crianças devem estar sempre a aprender e é com os TPC's redobrados que garantimos que ensinamos os nossos filhos o que eles ainda não sabem, derivado da incompetência dos professores. Por exemplo, o ano passado o meu Luís Alfredo apareceu-me em casa com uns exercícios de matemática para fazer, eu quis dar-lhe apoio apesar de ele querer encabeçar o desafio por sua conta (é muito corajoso, o meu Luís Alfredo), dizia-me ele "ó mãe, cava daqui, estás a baralhar-me todo, ainda chumbo por tua causa". E eu a saber que no fundo o receio dele era não fazer como a professora tinha mandado. Nunca confiei nela, com aqueles sorrisos excessivos.

Nessa reunião devemos explicar que o cuidado educacional dos nossos filhos está a cargo daquela pessoa, pelo que exigimos que não faça observações desnecessárias e que se contenha no consumo de produtos processados em frente aos nossos filhos. Esse não é o exemplo a dar. Devem controlar-se dentro e fora de horário de expediente. É muito complexo quando encontramos um professor ou professora na secção de congelados e este a está a comprar douradinhos; explicar às crianças que nem sempre os professores são boas pessoas fora das salas de aula, é terrivelmente difícil. Devemos bater o pé para que existam produtos biológicos na cantina e que todas as festas de aniversário sejam sugar free, gluten free, dairy free, e alegria free. O futuro começa nas salas de aulas e estes professores de hoje são muito frustrados e acusam os pais de tudo.

Na ultima reunião de turma do meu Luís Alfredo, o meu João Carlos disse-me "foda-se, nunca mais venho a uma reunião contigo, já me tava a passar dos cornos com as merdas que te saíram dessa boca"; a professora insistia que o menino estava a avançar na mesma linha de desenvolvimento que os outros e eu perdi as estribeiras, o meu Luís Alfredo é um menino amamentado até aos sete anos, não tem o mesmo nível que os outros, é melhor que a média, e se não é, tal sucede por falta de estimulo escolar.

Mas a professora conseguiu virar o meu marido contra mim, certamente tentando seduzir o meu João Carlos para aquele mundo de facilitismos.

Depois da reunião com a professora, devemos garantir que adquirimos todos os livros e materiais, de preferência com origem biológica. Se não houver de origem biológica devemos escrever uma carta de desagrado à administração da empresa que produz o melhor produto do mercado. Devemos sentar os nossos filhos no sofá e ter uma conversa com eles. É neste momento que os doutrinamos para a importância da escola. A minha Alexandra Vanessa está ainda a recuperar, porque na ultima reunião decidiu roer o comando da televisão e aquilo deu-lhe um choque nos dentes da frente, pelo que este ano carecerá de paciência extra.

O pai positivo adora assistir a estas reuniões, no fim vem sempre ter comigo para me dar uma palmada nas costas e dizer "só tens ideias de merda, o que vale é que os putos sabem disso e não passam cartão", é um romântico e um apoiante fervoroso das minhas decisões.

É essencial que os pais estejam em sintonia sobre as escolhas a fazer.

Creio que por hoje é isto, entretanto tenho de ir porque os velhos já ligaram a dizer que estão à porta do apartamento para ver a casa. São mesmo assim os maltrapilhos dos idosos.

Espero que esta publicação sirva de apoio às minhas leitoras mamãs (a maioria) e os poucos casos de leitores papás, que fazer este trabalho porque casaram com mulheres destravadas.

Boa sorte e até para a semana.

Já sabem, se tiverem algum tema que queiram ver esclarecido não hesitem em mandar-me, terei todo o gosto em ajudar.

Beijos e abraços nesses corações palpitantes.

 

2 comentários

Comentar post