Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Casa da Gorda

Casa da Gorda

10
Set18

Diário de uma adolescente no regresso às aulas

Gorda

Querido diário,

As aulas começaram e eu já estou cheia de húrticária outra vez. Não me importo com a escola, tipo, o espaço onde a gente anda e se senta e conversa, mas já não aguento os profs, só criticam e fico depremida com tanta correção e tanto vermelho.

 

Toda a gente sabe que os profs são um tipo de gente que não merece o ar que respira, é injusto que eles possam dizer se eu sou ou não boa numa cena e possam chumbar-me só porque eu não soube responder às perguntas idiotas que eles escolheram para os testes. Se eles fizes-sem as perguntas das cenas que eu estudei era diferente. Acho que eles nem falaram das cenas que põem nos testes. Pelo menos não falaram nas aulas a que eu fui. A minha mãe diz que os profs são uma comunidade de maltrapilhos que mamam o dinheiro dos descontos das pessoas. Só não comem o dinheiro dos descontos dela porque ela ganha por fora. 

Existem bué motivos para uma pessoa detestar os profs e eu fiz uma lista que vou dizer-te querido diário e que vou também mostrar à Sheila, sei que ela me entende.

 

Ensistem com a cena de ensinar

Estamos de férias, à tarde com os amigos, trocamos mensagens, quando não sabemos uma cena vamos à net - tipo, nós temos dados! A minha mãe faz a lista de compras para o avio da semana e eu vou atualizando o meu conhecimento no Insta. Tipo a Alexandra está com o ganda body desde que começou o Crossfit, gostava bué que ela entra-se na proxima Casa dos Segredos. É uma inspiração.

O Universo acaba com o verão e a vida espeta connosco numa sala de aula a lidar com um tipo ou uma tipa que insiste em falar de adverbios de modo e na cena das enzimas. Tipo, pra quê!? As enzimas estão cá dentro, a gente não vê! Isso são cenas para os médicos saberem e os infermeiros e essa gente. São, tipo, coisas sem qq interesse e que eu tenho de estar tipo a ouvir a tirar apontamentos quando podia ir ver as cenas à Wikipédia como as pessoas normais. Tipo estamos em 2018 e não no céculo 22 quando não havia net.

Depois estão sempre a pedir para a gente estar com atenção e chateiam com a conversa de que temos de aprender e ter conhecimento na cabeça. Para quê? Quanto menos soubermos mais hipóteses temos de ser escolhidos para o próximo Love on Top, e toda a gente sabe que isso, tipo, é um dos grandes objetivos. Ser bué conhecida na net e ter bué followers nas minhas redes sociais.

 

Testes

Primeiro é a cena de ensinar, e a gente a ter de estar ali, tipo, a ouvir, depois ainda se põem com a cena dos testes, onde fazem perguntas a cenas que eu nunca vi, nem ouvi, nem apontei. Os testes são sempre um monte de perguntas sobre cenas que não são úteis e que ocupam espaço na cabeça das pessoas para nada. Logo na primeira semana marcam os testes, eu fico cheia de ansiedade, porque já sei que vou ter bué stresse, E a minha mãe até já foi comigo a um psicologo porque eu sei que a minha húrticária tem que ver com o stresse que eu fico por causa dos testes e de ser injusto porque tenho sempre bues coisas erradas. 

Os testes são, tipo, tão NOT.

 

A cena do telemóvel.

Não entendo qual é a cena do telemóvel. Porque é que eu não posso ter o telemóvel na sala? Não é justo. Às vezes lembro-me de cenas que tenho de dizer à Sheila e mando mensagem para não incomodar a aula, podia gritar, mas mando mensagem, sou boa aluna, sei que o comportamento conta para a nota. Disse isto à minha mãe e ela ficou bué orgulhosa de mim, disse que se a prof de ciências voltar a vir com merdas que ela fode a cara aquela cabra, porque se me comprou o telemóvel é para eu usar e não é uma ursa qualquer que me vai dizer o que fazer com as minhas coisas.

Tenho bué orgulho da minha mãe e fico sempre bué descansada quando ela vai à reunião com os encarregados de educação.

Eu acho que os profs são bué velhos e por isso não intendem as coisas que são importantes para esta nova geração. Tipo nós é que somos o futuro. Por exemplo os profs não entendem que, se a Jessy mudar o estado da relação do facebook dela eu tenho de saber. A Jessy é a Maria Custódia aqui da minha rua, mas ela criou uma conta com o nome que ela sente que é dela. 

Outra cena é que não dá para ser o primeiro a comentar uma foto da Rita Pereira se só vemos a foto, tipo, uma hora depois. Toda a gente sabe que ela só responde aos 5 primeiros comentários, é tipo, uma regra.

Outra cena é não poder usar os telemóveis durante os testes, eu tenho sempre dados, porque a minha mãe trabalha bué para eu ter sempre net - está sempre a dizer-me que é bué esperta e que a ela o Costa não come, em vez de ficar com o guito dela, ela paga net e outras cenas para mim, não sei quem é o Costa, mas a minha mãe tem sempre razão, tipo a minha mãe é o meu orgulho. Se eu tivesse o meu telemóvel tinha notas bué altas. Disse isto à minha mãe e ela disse que ia falar com a diretora de turma.

 

TPC's

Falamos das cenas nas aulas, fazemos testes e depois ainda trazemos trabalho para casa. A minha mãe tá sempre a dizer que o trabalho é para fazer no trabalho. É bué injusto ter de estudar em casa.

Tipo, ter de ler capitulos dos Lusiadas é uma cena bué off. A minha mãe tá sempre a dizer que ninguém arranja uma porra de uma máquina do tempo para voltar atrás e limpar o sebo a esse cabrão desse zarolho. Não sei porque é que a minha mãe acha que ele é zarolho, mas não interessa porque a minha mãe tem sempre razão.

Não se entende nada do que ele quer dizer e os profs como são bué crueis, mesmo sabendo começam a dizer que o nosso trabalho é interpretar, tipo, se sabem podiam dizer, afinal de contas é para isso que são pagos com os descontos das pessoas, não é? Para ensinarem e dizerem as coisas aos alunos em vez de querer que a gente descubra sozinhos. E nem nos deixam ter acesso à net.

 

História

O Afonso é o filho da minha vizinha e o Henriques é o mecânico do meu pai, quero lá saber se houve um gajo que à mais de 100 anos que construiu não sei o quê. Só sei que ele bateu na mãe e isso devia ser, tipo, violência doméstica. Disso ninguém fala. Das coisas importantes. Como é que se dá importância a um tipo violento que bateu noutra mulher?

 

Educação física

Esta cena é a pior, tipo, o cabelo fica todo suado e ter de maquilhar tudo de novo é bué chato porque o intervalo entre aulas é bué curto. Não se aguenta, porque eu, quando ficar gorda faço uma lipo porque vou casar com um tipo rico ou então faço um impréstimo ou posso ainda tomar depuralina. Resultou com a minha vizinha Cidália. Se der arranjo um PT e oriento-me no ginásio a fazer Crossfit como a minha prima Jessica, porque raio havia eu de querer saber jogar basket, toda a gente sabe que gasta menos calorias que os agachamentos.

Para não falar que uma vez parti uma unha de gel com uma bola de volei e esperei 3 dias para a Célia poder atender-me outra vez. A Célia tem bué clientes porque ela é TOP no nail art.

Tipo, educação fisica é inutil. É mesmo de quem não sabe nada da vida.

 

Reunião de pais

Só serve para os profs se chibarem dos alunos e para criticarem e para se queixarem. Eu tenho sorte porque a minha mãe os consegue micar à distância e confia bué em mim. Mas nem todos são assim. Os profs lixam a juventude.

Depois nunca têm paciência para os encarregados de educação. Uma vez a minha mãe, tipo, passosse e atirou o Zippo dela à testa da diretora de turma, a gaja tipo disse que o papel dos profs não é educar os alunos, mas ensinar. A minha mãe tem razão, se eles fazem parte do sistema de educação é porque têm de educar. Não querem fazer nada, é só mamar o dinheiro do Estado e lixar os contribuintes. Depois de lhe abrir a mona a minha mãe disse à prof "da proxima vez que a minha filha me mandar à merda eu venho falar consigo".

 

Fodasse tou mesmo bué farta da escola.

 

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Visitas

contador de acesso grátis

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Sigam-me

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D