Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Casa da Gorda

Casa da Gorda

20
Nov18

Gaja boa casa com frase cocó

Gorda

gaja boa em frase cocó.png

(tirei esta foto à minha amiga Sheila um dia que fomos jogar raquetes para a praia da mata....brincadeirinha, tirei da net e inventei a frase "respiradora")

 

 

Dizem que a curiosidade matou o gato, mas eu cada vez mais me convenço que a curiosidade matou de cansaço o racional. O gato pode ter levado uma pazada no lombo por ter tentado roubar as bolachas da tia Maria, mas é a razão e o bom senso que definham cada vez que uma gaja boa publica nas redes sociais uma fotografia seminua com uma frase inspiradora que ninguém, dotado da função plena (ou parcial, já estou por tudo!) de pensamento, pode achar coerente.

Uma paisagem paradisíaca, águas cristalinas, um corpo escultural, um biquíni de fazer inveja, cabelos sedosos ao vento, a pessoa claramente enfadada por estar naquele espaço, o olhar contemplativo para o horizonte de quem está a ver coisas que o comum dos mortais não consegue compreender; e ao lado somos presenteados com um “When life throws you curves, embrace them”, o que, em português literal, quer dizer qualquer coisa como “quando a vida te atira curvas, abraça-as”. A pessoa que observa, face ao choque imagem-ideia pode ser levada a pensar que a solução para o seu bem estar é abraçar curvas. Por exemplo, em caso de subida para a Serra da Estrela é parar uma média de 10 vezes para abraçar a curva, ou uma árvore, abraçar, vá!

É claro que o objectivo desta frase é inspirar, mostrar que tudo se ultrapassa, tendo as curvas da frase um papel meramente metafórico, ocupando o lugar dos problemas da vida. Tudo muito certo. Mas, pensando mais sobre isso, se a ideia é abraçar, eu prefiro que seja outra coisa e não os problemas, esses eu prefiro ver pelas costas. Coisas minhas, que sou mesmo assim um nojo de pessoa que não entende nada de inspirar, exceptuando aquilo que faço de forma inata desde que o Dr. Travassos me espetou com uma lambadona depois de nascer.

Olhando para a imagem a última coisa que ocorre à ideia de uma pessoa como eu - que é o tipo de ser vivo invejoso que prefere estar sempre de férias em vez de vergar a mola – é que aquela pessoa de pele bem cromada pelo sol, esteja a sofrer alguma espécie de problema para resolver, a menos que escolher entre uma bebida verde com chapéu azul e uma bebida rosa com chapéu verde, seja considerado como uma calamidade na vida de alguém. Já dizia a minha avozinha “demasiada oferta também é um problema”. Estou a brincar, a minha avó nunca disse isso, porque havia muita fominha e pouco por onde escolher.

À falta de melhor argumentação posso apenas dizer que fico assim mesmo “wow”, que é como quem diz que fico um tudónada banzada, num sentimento de perplexidade submersa em falta de cultura de atualidade.

“Celebridades”, ocorre-se-me.

Depois passo a fotografia à frente e aparece uma conhecida, beicinho, lábios vermelhos, cabelo de lado, num brotamento de sensualidade que pode ferir a vista de uma pessoa mais sensível, ao lado da imagem a frase que aleija mais que a imagem “a verdadeira beleza vem de dentro”. Posso apenas presumir que o que a pessoa quer dizer é que, calhando a orgalhada a estar mal não havia gostosura nem formosura para mostrar, mas como está tudo fino ao nível do baço, do fígado e seus comparsas de barraca, a beleza arrebenta pelos entrefolhos.

De outra forma, se a mensagem pretendida é diferente…lamento, mas não sou capaz de a alcançar. É quase tão complexo como as pessoas que partilham as fotos tipo passe dos falecidos, mas essas são todo um texto à parte.

 

Para mais conteúdos podem sempre acompanhar a Gorda no Instagram.

Ou ainda na conta de Facebook.

 

3 comentários

Comentar post