Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Casa da Gorda

Casa da Gorda

09.04.19

Vinte e quatro ponto cinco sombras castanhas - Episódio 7

Gorda
    O último ano superou todas as minhas expetativas e sonhos. Jamais poderia acreditar que um dia eu, Cremilde da Silva Peixoto Bota Rota, seria a Presidente da Junta de Freguesia de Sarilhos Grandes. Sou uma mulher respeitada por todos, menos pelos meus colegas, até já pus unhas de gel, daquelas com diamantes no dedo anelar. Passo os meus dias a tomar decisões para o bem da freguesia e a pôr carimbos em documentos.   A partida do Zé deixou-me abalada e o facto de não ter (...)
03.04.19

Vinte e quatro ponto cinco sombras castanhas - Episódio 6

Gorda
    Quando li o livro Cinquenta sombras de Grey dei comigo a pensar como é que aquela pessoa que se chama só com duas letras tinha arranjado tanta merda para escrever se podia ter contado aquilo em menos de três frases. Agora já sei, a pessoa inventa, mata gente, casa e descasa, mete gente que vê mal dos olhos que tem na cara e enche conteúdo.   Sou inspetor da Judiciária há quinze anos e ando à procura do caso que vai levar à minha promoção. Em Portugal não há crimes à (...)
01.04.19

Vinte e quatro ponto cinco sombras castanhas - Episódio 5

Gorda
      Quando finalmente larguei a Cremilde naquela noite senti o meu corpo a ceder. Tive de olhar para a Cremilde de frente enquanto a comia, sendo fustigado na cara e principalmente nos olhos pelo jato de água que ela insistia que estivesse ligado. Ao que parece terá visto aquilo num filme qualquer e achou que era algo que poderíamos repetir. O mal é que burra como a Cremilde é, nunca lhe terá ocorrido que ela pesará mais trinta quilos que a atriz e eu não tenho o físico do (...)
18.03.19

Vinte e quatro ponto cinco sombras castanhas - Episódio 3

Gorda
  Acho que ando a comer frango assado a mais. Passei a noite a sonhar que conseguia pôr ovos e que quando espirrava libertava tufos de penas. Para além disso o carvão tem-me feito mal ao estômago e eu tenho andado com mais gases do que é habitual. O Quim Tó diz que não se importa, mas eu dou conta que ele acende aqueles incensos do chinês, escolhe sempre os que têm efeito na macumba da paixão e eu derreto-me apesar de saber que os paus são sempre os mesmos, só mudam a (...)
11.03.19

Vinte e quatro ponto cinco sombras castanhas - Episódio 2

Gorda
    Confesso que quando acordei me assustei, senti-me atormentado pela imagem ao meu lado, o cabelo desordenado, a baba no canto da boca e os olhos semiabertos como os de um robalo que morreu contrariado. Tinha fodido aquela criatura na noite anterior e sentia-me compelido a faze-lo outra vez. Levantei o lençol para a ver nua, tinha uma mata próxima do Amazonas e eu senti-me afrouxar, não conseguia come-la de luz acesa e os estores da minha casa estavam partidos. A luz do dia é (...)
04.03.19

Vinte e quatro ponto cinco sombras castanhas - Episódio 1

Gorda
    Quando acordei estava a barbar-me para a almofada, há anos que é assim, deito-me de barriga para cima, com as mãos uma em cima da outra, mais ou menos como fizemos com a minha tia Lucrécia quando a deitámos no caixão. Tinha lido numa revista que dormir muito direita evitava as rugas na cara e para me inspirar imitava a tia Lucrécia. Sempre foi a minha tia favorita, primeiro porque ficava muito melhor vestida de mulher do que o meu tio Vítor, que insistia em andar com as (...)